Home» Liturgia Diária» Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus

Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus  

Ano B – 2 de novembro de 2015

Cor Liturgica: ROXO (Comemoração de todos os Fiéis Defuntos . Solenidade)

Mateus 25,31-46

Aleluia, aleluia, aleluia.
Benditos do Pai, apossai-vos do reino, que foi preparado bem desde o começo! (Mt 25,34).

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.
Naquele tempo, 25 31 disse Jesus: “Quando o Filho do Homem voltar na sua glória e todos os anjos com ele, sentar-se-á no seu trono glorioso.
32 Todas as nações se reunirão diante dele e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos.
33 Colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda.
34 Então o Rei dirá aos que estão à direita: ‘Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo,
35 porque tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; era peregrino e me acolhestes;
36 nu e me vestistes; enfermo e me visitastes; estava na prisão e viestes a mim’.
37 Perguntar-lhe-ão os justos: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, com sede e te demos de beber?
38 Quando foi que te vimos peregrino e te acolhemos, nu e te vestimos?
39 Quando foi que te vimos enfermo ou na prisão e te fomos visitar?’
40 Responderá o Rei: ‘Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes’.
41 Voltar-se-á em seguida para os da sua esquerda e lhes dirá: ‘Retirai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno destinado ao demônio e aos seus anjos.
42 Porque tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber;
43 era peregrino e não me acolhestes; nu e não me vestistes; enfermo e na prisão e não me visitastes’.
44 Também estes lhe perguntarão: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome, com sede, peregrino, nu, enfermo, ou na prisão e não te socorremos?’
45 E ele responderá: ‘Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que deixastes de fazer isso a um destes pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer.
46 E estes irão para o castigo eterno, e os justos, para a vida eterna’.
Palavra da Salvação.
 


Comentário do Evangelho
SALVOS PELA CARIDADE
            A descrição do juízo final é um alerta premente para a comunidade cristã, empenhada em dar testemunho de sua fé. Sublinhando o que acontece no final da caminhada terrena, o ponto visado é o presente da comunidade. Em última análise, é no agora de sua vida que vai se definindo a sorte futura de seus membros. O Mestre ensina que existe uma maneira correta e outra incorreta de buscar a salvação. Urge não se enganar!
            A maneira correta consiste em demonstrar um amor entranhado ao próximo, mormente aos famintos, aos sedentos, aos estrangeiros, aos despojados de suas vestes, aos doentes e aos prisioneiros. Esta lista deve ser completada com todas as demais categorias de empobrecidos, marginalizados e aviltados em sua dignidade. Salva-se quem se dispõe a solidarizar-se com eles, vindo ao encontro de suas necessidades, tornando-se encarnação de Deus em suas vidas, de forma a revelar-lhes o quanto são amados pelo Pai.
            A maneira incorreta consiste em contentar-se com os bons propósitos, com palavreados vazios, com moralismos inconsistentes, com dogmatismos intransigentes e fanáticos. Quem se aferra a tais atitudes, desviando-se dos necessitados ou não tendo tempo para eles, será surpreendido com as severas palavras de condenação do Filho do Homem, revestido da dignidade de juiz universal.
            É mister buscar a caridade fraterna, único meio de atingir a comunhão com o Pai.
 
 
Leitura

Isaías 25,6-9

Leitura do Livro do profeta Isaías.
25 6 O Senhor dos exércitos preparou para todos os povos, nesse monte, um banquete de carnes gordas, um festim de vinhos velhos, de carnes gordas e medulosas, de vinhos velhos purificados.
7 Nesse monte tirará o véu que vela todos os povos, a cortina que recobre todas as nações,
8 e fará desaparecer a morte para sempre. O Senhor Deus enxugará as lágrimas de todas as faces e tirará de toda a terra o opróbrio que pesa sobre o seu povo, porque o Senhor o disse.
9 Naquele dia dirão: “Eis nosso Deus do qual esperamos nossa libertação. Congratulemo-nos, rejubilemo-nos por seu socorro”.
Palavra do Senhor.
 
Salmo 24/25
Senhor meu Deus, a vós elevo a minha alma.

Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura
e a vossa compaixão, que são eternas!
De mim lembrai-vos, porque sois misericórdia
e sois bondade sem limites, ó Senhor!

Aliviai meu coração de tanta angústia
e libertai-me das minhas aflições!
Considerai minha miséria e sofrimento
e concedei vosso perdão aos meus pecados!

Defendei a minha vida e libertai-me;
em vós confio, que eu não seja envergonhado!
Que a retidão e a inocência me protejam,
pois em vós eu coloquei minha esperança!
 

Oração
Ó Deus, glória dos fiéis e vida dos justos, que nos remistes pela morte e ressurreição do vosso filho, concedei aos nossos irmãos e irmãs que, tendo professado o mistério da nossa ressurreição, mereçam alegrar-se na eterna felicidade.

Link: 97 pessoas viram!