Home» Liturgia Diária» Feliz o ventre que te trouxe. Muito mais felizes são aqueles que ouvem a palavra de Deus

Feliz o ventre que te trouxe. Muito mais felizes são aqueles que ouvem a palavra de Deus  

Dia 8 de Outubro – Sábado

XXVII SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde – Ofício do Dia)


Antífona de Entrada

Senhor, tudo está em vosso poder e ninguém pode resistir à vossa vontade. Vós fizestes todas as coisas: o céu, a terra e tudo o que eles contêm; sois o Deus do universo! (Est 1,9ss)


Oração do dia

Ó Deus eterno e todo-poderoso, que nos concedeis, no vosso imenso amor de Pai, mais do que merecemos e pedimos, derramai sobre nós a nossa misericórdia, perdoando o que nos pesa na consciência e dando-nos mais do que ousamos pedir. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Leitura (Gálatas 3,22-29)

Leitura da carta de são Paulo aos Gálatas.
Irmãos, 3 22 a Escritura encerrou tudo sob o império do pecado, para que a promessa mediante a fé em Jesus Cristo fosse dada aos que crêem.
23 Antes que viesse a fé, estávamos encerrados sob a vigilância de uma lei, esperando a revelação da fé.
24 Assim a lei se nos tornou pedagogo encarregado de levar-nos a Cristo, para sermos justificados pela fé.
25 Mas, depois que veio a fé, já não dependemos de pedagogo,
26 porque todos sois filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo.
27 Todos vós que fostes batizados em Cristo, vos revestistes de Cristo.
28 Já não há judeu nem grego, nem escravo nem livre, nem homem nem mulher, pois todos vós sois um em Cristo Jesus.
29 Ora, se sois de Cristo, então sois verdadeiramente a descendência de Abraão, herdeiros segundo a promessa.
Palavra do Senhor.


Salmo Responsorial 104/105

O Senhor se lembra sempre da aliança!

Cantai, entoai salmos para ele,
publicai todas as suas maravilhas!
Gloriai-vos em seu nome, que é santo,
exulte o coração que busca a Deus!

Procurai o Senhor Deus e seu poder,
buscai constantemente a sua face!
Lembrai as maravilhas que ele fez,
seus prodígios e as palavras de seus lábios!

Descendentes de Abraão, seu servidor,
e filhos de Jacó, seu escolhido,
ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus,
vigoram suas leis em toda a terra.


Evangelho (Lucas 11,27-28)

Aleluia, aleluia, aleluia.
Feliz quem ouve e observa a palavra de Deus! (Lc 11,28)

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.
Naquele tempo, 11 27 enquanto ele assim falava, uma mulher levantou a voz do meio do povo e lhe disse: “Bem-aventurado o ventre que te trouxe, e os peitos que te amamentaram!”
28 Mas Jesus replicou: “Antes bem-aventurados aqueles que ouvem a palavra de Deus e a observam!”
Palavra da Salvação.


Comentário ao Evangelho

O ELOGIO A MARIA
            Uma mulher do povo fez um enorme elogio a Maria, proclamando-a bem-aventurada por ter tido a graça de trazer Jesus em seu ventre e tê-lo amamentado. Seu entusiasmo tinha sua razão de ser, considerando-se os feitos maravilhosos operados por Jesus e seus ensinamentos sublimes muito superiores a tudo quanto até então tinham visto e ouvido. Seu trato cheio de misericórdia e bondade, de modo especial com os pobres e marginalizados, e a profunda esperança que suscitava no coração de quem dele se aproximava. Portanto, um ser humano formidável! Bendita a mãe que lhe dera à  luz!
            Jesus deu um novo enfoque a esta questão, considerando a grandeza de Maria sob outro prisma. De fato, ela era bem-aventurada, mas por um motivo diferente: mostrou-se atenta e disponível a ouvir a Palavra de Deus, e se empenhava para colocá-la em prática. A condição de mãe de Jesus era menos importante do que a de discípula do Pai. A grandeza de sua condição de mãe do Messias era conseqüência de sua  fidelidade a Deus. Sem isto, o fato de ser mãe de Jesus não teria nenhuma importância.
            Por conseguinte, a observação de Jesus não soa como um desprezo em relação à sua mãe. Antes, evidencia o motivo pelo qual deveras Maria deve ser proclamada bem-aventurada: porque foi fiel a Deus.

Oração
Pai, dá-me a graça de compreender sempre mais que a grandeza de Maria consistiu em ser fiel à tua Palavra acolhida e posta em prática com generosidade sem limites.


Sobre as Oferendas

Acolhei, ó Deus, nós vos pedimos, o sacrifício que instituístes e, pelos mistérios que celebramos em vossa honra, completai a santificação dos que salvastes. Por Cristo, nosso Senhor.


Antífona da Comunhão

Bom é o Senhor para quem confia nele, para aquele que o procura (Lm 3,25).


Depois da Comunhão

Possamos, ó Deus onipotente, saciar-nos do pão celeste e inebriar-nos do vinho sagrado, para que sejamos transformados naquele que agora recebemos. Por Cristo, nosso Senhor.

MEMÓRIA FACULTATIVA

SÃO JOÃO CALÁBRIA
(Branco – Ofício da Memória)


Oração do Dia

Ó Deus, Pai todo-poderoso, que, para reavivar no mundo a confiança em vossa paternidade e o abandono filial à vossa providência, suscitastes na Igreja o sacerdote João Calábria, concedei-nos, por sua intercessão, que, animados pelo mesmo espírito, possamos reconhecer e servir o vosso próprio Filho em nossos irmãos mais pobres e sofredores. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Sobre as Oferendas

Acolhei ó Pai, a oferenda do serviço sacerdotal na memória de são João Calábria e fazei que, libertados das preocupações e dos egoísmos do mundo, nos tornemos ricos de vós, único bem. Por Cristo, nosso Senhor.


Depois da Comunhão

Ó Deus todo-poderoso, que nestes sacramentos nos comunicais a força do vosso Espírito, fazei que, seguindo o exemplo de são João Calábria, aprendamos a buscar-vos acima de tudo, a fim de guardarmos em nós a imagem de Cristo crucificado e ressuscitado. Que vive e reina para sempre.


Santo do Dia / Comemoração (SÃO JOÃO CALÁBRIA)

João Orestes Maria Calábria, seu nome de batismo, nasceu em 8 de outubro de 1873, em Verona, Itália, sétimo filho de uma família cristã muito humilde. O pai, Luís, era sapateiro e a mãe, Ângela, uma empregada doméstica e cristã exemplar. Desde pequeno, João teve uma saúde frágil, agravada ainda pela grande fome que atingira a região do Vêneto, norte da Itália, em sua infância, deixando-o subnutrido.

Quando o pai faleceu, teve de interromper o quarto ano do ensino básico para trabalhar como garçom. Com a ajuda de padres amigos da família, começou a estudar para entrar no seminário e, em 1892, conseguiu ingressar no de Verona. Muito preocupado com os necessitados, desde o início teve a preocupação de visitar os doentes, mas desdobrava-se na catequese das crianças abandonadas, suas prediletas.

Em 1894, foi chamado para o serviço militar. Esta fase, segundo seus orientadores, seria interessante para colocar à prova sua verdadeira vocação sacerdotal. Logo foi escalado para a enfermaria do hospital militar, onde se dedicou de corpo e alma a cuidar dos enfermos.

Após dois anos, retornou ao seminário, onde foi aprovado como noviço. Mas o seminarista Calábria nunca mais deixaria de visitar o hospital militar. Em 1901, recebeu sua ordenação sacerdotal.

Designado para o ministério na diocese de Verona, deixou sua marca de bom pastor em várias paróquias onde atuou. Em 1907, foi nomeado vigário da Reitoria de São Benedito ao Monte. Lá, devido à sua especial atenção para com as crianças abandonadas, criou, no mesmo ano, uma casa de acolhida para elas, chamada “Casa dei Buoni Fanciulli”, isto é, “Casa dos Bons Meninos”, cuja sede depois foi transferida para a próxima cidade de São Zeno, onde hoje está a Casa-mãe. Em breve, os lares para as crianças abandonadas foram se estendendo por toda a Itália.

Em decorrência dessa obra, ele acabou fundando também duas congregações religiosas. Primeiro a masculina: dos Pobres Servos da Divina Providência; logo depois o ramo feminino: das Pobres Servas da Divina Providência. A orientação básica que o fundador costumava repetir aos seus religiosos, colaboradores leigos e aos jovens dos lares que criou era muito simples, como foi toda a sua vida: “Sejam evangelhos viventes”. Com isso lhes pedia para encontrarem o amor de Deus vendo o irmão necessitado como a única fonte para poder sentir e demonstrar a verdadeira Paixão de Jesus Cristo pela humanidade.

João Calábria faleceu no dia 4 de dezembro de 1954, na Casa-mãe de suas obras, em São Zeno. O papa Pio XII, que na ocasião também estava doente, quando recebeu a notícia da morte de padre Calábria, cuja vida acompanhou e admirava, assim o definiu: era um “campeão de evangélica caridade”.

Canonizado pelo papa João Paulo II em 1999, a data comemorativa oficial da memória de são João Calábria ocorre no dia 8 de outubro, em vez de 4 de dezembro, por uma especial autorização concedida, a pedido das congregações, pela Santa Sé. Expandidas por toda a Itália, atravessaram oceanos, estabelecendo-se no Uruguai, Brasil, Argentina, Paraguai, Chile, Colômbia, Angola, Filipinas, Índia, Rússia, Romênia e Quênia. Além disso, floresceu um ramo na América Latina: as Irmãs Missionárias dos Pobres, dando vigor e continuidade à obra do santo fundador.

Link: 105 pessoas viram!