Home» Liturgia Diária» Não vos preocupeis com o dia de amanhã.

Não vos preocupeis com o dia de amanhã.  

Ano A – 18 de junho de 2011

Cor Liturgica: VERDE (Sábado da 11ª Semana Tempo Comum)

Mateus 6,23-34

Aleluia, aleluia, aleluia.

Felizes os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus (Mt 5,3). 

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 6 24 “Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará a um e amará o outro, ou dedicar-se-á a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e à riqueza.

25 Portanto, eis que vos digo: não vos preocupeis por vossa vida, pelo que comereis, nem por vosso corpo, pelo que vestireis. A vida não é mais do que o alimento e o corpo não é mais que as vestes?
26 Olhai as aves do céu: não semeiam nem ceifam, nem recolhem nos celeiros e vosso Pai celeste as alimenta. Não valeis vós muito mais que elas?
27 Qual de vós, por mais que se esforce, pode acrescentar um só côvado à duração de sua vida?
28 E por que vos inquietais com as vestes? Considerai como crescem os lírios do campo; não trabalham nem fiam.

29 Entretanto, eu vos digo que o próprio Salomão no auge de sua glória não se vestiu como um deles.
30 Se Deus veste assim a erva dos campos, que hoje cresce e amanhã será lançada ao fogo, quanto mais a vós, homens de pouca fé?
31 Não vos aflijais, nem digais: Que comeremos? Que beberemos? Com que nos vestiremos?
32 São os pagãos que se preocupam com tudo isso. Ora, vosso Pai celeste sabe que necessitais de tudo isso.

33 Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo.
34 Não vos preocupeis, pois, com o dia de amanhã: o dia de amanhã terá as suas preocupações próprias. A cada dia basta o seu cuidado”.
Palavra da Salvação.


Comentário do Evangelho
O CORAÇÃO INDIVISO

A opção do discípulo pelo Reino não o permite estabelecer concorrentes para Deus. Sua vida está toda polarizada pelo Pai e não é permitindo que nada se intrometa nesta relação de exclusividade. O Pai reina absoluto no coração do discípulo.
Existe incompatibilidade entre Deus e o dinheiro, donde a exortação de Jesus sobre a impossibilidade de servir a ambos ao mesmo tempo. O projeto de Deus funda-se na partilha; o do dinheiro na concentração dos bens. A ação movida por Deus pauta-se pelo amor e pelo serviço ao próximo; a movida pelo dinheiro transforma o próximo em objeto de exploração. O grande desígnio de Deus é a união de todos em torno de objetivos comuns, enquanto a sede de dinheiro aprofunda a cisão entre ricos e pobres, os primeiros não se importando com a penúria dos demais. Deus é um bem precioso, do qual ninguém pode privar o discípulo; já o dinheiro é um bem precário, extremamente frágil, que se pode perder a qualquer momento.
O motivo da impossibilidade de reconciliar Deus e o dinheiro pode ser facilmente percebido. É vítima de engano quem pensa poder seguir a ambos ao mesmo tempo. Eles se fundam em pressupostos contrários entre si. Uma pretensa conciliação entre Deus e o dinheiro acontece em detrimento de Deus. Quem age assim demonstra tendência para a idolatria, que encobrerta com a capa de Deus.

Oração
Senhor Jesus, que eu tenha um coração indiviso, entregue somente a ti, e forte para rejeitar toda tendência idolátrica instalada dentro de mim.

Leitura

2 Coríntios 12,1-10

Leitura da segunda carta de são Paulo aos Coríntios.
Irmãos, 12 1 importa que me glorie? Na verdade, não convém! Passarei, entretanto, às visões e revelações do Senhor.
2 Conheço um homem em Cristo que há catorze anos foi arrebatado até o terceiro céu. Se foi no corpo, não sei. Se fora do corpo, também não sei; Deus o sabe.
3 E sei que esse homem – se no corpo ou se fora do corpo, não sei; Deus o sabe –
4 foi arrebatado ao paraíso e lá ouviu palavras inefáveis, que não é permitido a um homem repetir.
5 Desse homem eu me gloriarei, mas de mim mesmo não me gloriarei, a não ser das minhas fraquezas.
6 Pois, ainda que me quisesse gloriar, não seria insensato, porque diria a verdade. Mas abstenho-me, para que ninguém me tenha em conta de mais do que vê em mim ou ouve dizer de mim.
7 Demais, para que a grandeza das revelações não me levasse ao orgulho, foi-me dado um espinho na carne, um anjo de Satanás para me esbofetear e me livrar do perigo da vaidade.

8 Três vezes roguei ao Senhor que o apartasse de mim.
9 Mas ele me disse: “Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força”. Portanto, prefiro gloriar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo.
10 Eis por que sinto alegria nas fraquezas, nas afrontas, nas necessidades, nas perseguições, no profundo desgosto sofrido por amor de Cristo. Porque quando me sinto fraco, então é que sou forte.
Palavra do Senhor.

Salmo 33/34
Provai e vede quão suave é o Senhor!


O anjo do Senhor vem acampar
ao redor dos que o temem e os salva.
Provai e vede quão suave é o Senhor!
Feliz o homem que tem nele o seu refúgio!

Respeitai o Senhor Deus, seus santos todos,
porque nada faltará aos que o temem.
Os ricos empobrecem, passam fome,
mas aos que buscam o Senhor não falta nada.

Meus filhos, vinde agora e escutai-me:
vou ensinar-vos o temor do Senhor Deus.
Qual o homem que não ama sua vida,
procurando ser feliz todos os dias?

Oração
Ó Deus, força daqueles que esperam em vós, sede favorável ao nosso apelo e, como nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos sempre o socorro da vossa graça, para que possamos querer e agir conforme vossa vontade, seguindo os vossos mandamentos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Link: 57 pessoas viram!