Home» Liturgia Diária» Por acaso, os amigos do noivo podem estar de luto enquanto o noivo está com eles?

Por acaso, os amigos do noivo podem estar de luto enquanto o noivo está com eles?  

Dia 2 de Julho – Sábado

XIII SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde – Ofício do Dia da I Semana)


Antífona de Entrada

Povos todos, aplaudi e aclamai a Deus com brados de alegria (Sl 46,2).


Oração do dia

Ó Deus, pela vossa graça, nos fizestes filhos da luz. Concedei que não sejamos envolvidos pelas trevas do erra, mas brilhe em nossas vidas a luz da vossa verdade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Leitura (Amós 9,11-15)

Leitura do livro de Amós.
9 11 “Naquele dia, levantarei a cabana arruinada de Davi, repararei as suas brechas, levantarei as suas ruínas, e a reconstruirei como nos dias antigos, 12 para que herdem o que resta de Edom, e de todas as nações sobre as quais o meu nome foi invocado – oráculo do Senhor, que executará estas coisas.
13 Eis que vêm dias – oráculo do Senhor – em que seguirão de perto o que planta e o que colhe, o que pisa os cachos e o que semeia; o mosto correrá pelas montanhas, todas as colinas se derreterão.
14 Restaurarei então o meu povo de Israel; reconstruirão as cidades devastadas e as habitarão; plantarão vinhas e beberão o seu vinho, cultivarão pomares e comerão os seus frutos.
15 Implantá-los-ei no seu solo, e não serão mais arrancados da terra que lhes dei” – oráculo do Senhor, teu Deus.
Palavra do Senhor.


Salmo Responsorial 84/85

O Senhor anunciará a paz para o seu povo!

Quero ouvir o que o Senhor irá falar:
É a paz que ele vai anunciar;
A paz para o seu povo e seus amigos,
Para os que voltam ao Senhor seu coração.

A verdade e o amor se encontrarão,
A justiça e a paz se abraçarão;
Da terra brotará a fidelidade,
E a justiça olhará dos altos céus.

O Senhor nos dará tudo o que é bom,
E a nossa terra nos dará suas colheitas;
A justiça andará na sua frente
E a salvação há de seguir os passos seus.


Evangelho (Mateus 9, 14-17)

Aleluia, aleluia, aleluia.
Minhas ovelhas escutam minha voz, eu as conheço e elas me seguem! (Jo 10,27)

 
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.
9 14 Então os discípulos de João, dirigindo-se a ele, perguntaram: “Por que jejuamos nós e os fariseus, e os teus discípulos não?”
15 Jesus respondeu: “Podem os amigos do esposo afligir-se enquanto o esposo está com eles? Dias virão em que lhes será tirado o esposo. Então eles jejuarão.
16 Ninguém põe um remendo de pano novo numa veste velha, porque arrancaria uma parte da veste e o rasgão ficaria pior.
17 Não se coloca tampouco vinho novo em odres velhos; do contrário, os odres se rompem, o vinho se derrama e os odres se perdem. Coloca-se, porém, o vinho novo em odres novos, e assim tanto um como outro se conservam”.
Palavra da Salvação.


Comentário ao Evangelho

UMA QUESTÃO DE BOM SENSO
            Os discípulos de João e os fariseus absolutizavam certas práticas, e olhavam com suspeita para os que tinham posturas diferentes ou não agiam como eles. Consideravam-nos como ímpios.
            No tocante ao jejum, a orientação dada por Jesus aos seus discípulos destoava da prática farisaica. De fato, dava-se pouca importância ao jejum. Já os fariseus, além dos jejuns prescritos pela Lei, faziam muitos outros, por iniciativa própria.
            Tomando o simbolismo da festa de casamento para fazer compreender sua presença na vida dos discípulos, Jesus considerava uma questão de bom senso não se entregar a jejuns exagerados. As bodas são tempo de festa e de alegria. Tempo de comer e beber, e não de fazer penitência. Assim,  relativizou a prática do jejum.
            Entretanto, viria um tempo em que os discípulos iriam jejuar: quando fossem privados da presença do Mestre e ansiassem por sua volta. O jejum, neste contexto, teria a finalidade precisa de prepará-los para o reencontro. Não seria uma prática ascética, voltada para si mesma, nem uma busca, pura e simples, de perfeição pessoal.
            Jesus recusava-se a misturar a mentalidade nova, trazida por ele, com os esquemas farisaicos muitas vezes caducos. A inconveniência desta mistura era evidente: arriscava-se a pôr tudo a perder. A novidade do Reino exigia pessoas renovadas por essa nova mentalidade.

Oração
Pai, dá-me suficiente bom senso para reconhecer o que corresponde ao projeto de Jesus, sem querer misturá-lo com esquemas incompatíveis com a novidade do Reino.


Sobre as Oferendas

Ó Deus, que nos assegurais os frutos dos vossos sacramentos, concedei que o povo reunido para vos servir corresponda à santidade dos vossos dons. Por Cristo, nosso Senhor.


Antífona da Comunhão

Bendize, ó minha alma, ao Senhor e todo meu ser, seu santo nome! (Sl 102,1)


Depois da Comunhão

Ó Deus, o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, que oferecemos em sacrifício e recebemos em comunhão, nos transmitam uma vida nova, para que, unidos a vós pela caridade que não passa, possamos produzir frutos que permaneçam. Por Cristo, nosso Senhor.

Link: 103 pessoas viram!