Home» Liturgia Diária» Não convides teus amigos mas, os pobres e os aleijados

Não convides teus amigos mas, os pobres e os aleijados  

Dia 31 de Outubro – Segunda-feira

XXXI SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde – Ofício do dia)


Antífona de Entrada

Não me abandones jamais, Senhor, meu Deus, não fiqueis longe de mim! Depressa, vinde em meu auxílio, ó Senhor, minha salvação! (Sl 37,22s)


Oração do dia

Ó Deus de poder e misericórdia, que concedeis a vossos filhos e filhas a graça de vos servir como devem, fazei que corramos livremente ao encontro das vossas promessas. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


Leitura (Filipenses 2,1-4)

Leitura da carta de são Paulo aos Filipenses.
2 1 Se me é possível, pois, alguma consolação em Cristo, algum caridoso estímulo, alguma comunhão no Espírito, alguma ternura e compaixão,
2 completai a minha alegria, permanecendo unidos. Tende um mesmo amor, uma só alma e os mesmos pensamentos.
3 Nada façais por espírito de partido ou vanglória, mas que a humildade vos ensine a considerar os outros superiores a vós mesmos.
4 Cada qual tenha em vista não os seus próprios interesses, e sim os dos outros.
5 Dedicai-vos mutuamente a estima que se deve em Cristo Jesus.
Palavra do Senhor.


Salmo Responsorial 130 /131

Guardai-me, em paz, junto a vós, ó Senhor!

Senhor, meu coração não é orgulhoso,
nem se eleva arrogante o meu olhar;
não ando à procura de grandezas,
nem tenho pretensões ambiciosas!

Fiz calar e sossegar a minha alma;
ela está em grande paz dentro de mim,
como a criança bem tranqüila, amamentada*
no regaço acolhedor de sua mãe.

Confia no Senhor, ó Israel, ó Israel,
desde agora e por toda a eternidade!


Evangelho (Lucas 14,12-14)

Aleluia, aleluia, aleluia.
Se guardais minha palavra, diz Jesus, realmente vós sereis os meus discípulos (Jo 8,31s).

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.
14 12 Jesus dizia ao chefe dos fariseus que o tinha convidado: “Quando deres alguma ceia, não convides os teus amigos, nem teus irmãos, nem os parentes, nem os vizinhos ricos. Porque, por sua vez, eles te convidarão e assim te retribuirão.
13 Mas, quando deres uma ceia, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos.
14 Serás feliz porque eles não têm com que te retribuir, mas ser-te-á retribuído na ressurreição dos justos”.
Palavra da Salvação.


Comentário ao Evangelho

AMOR DESINTERESSADO
            A advertência de Jesus sobre a questão dos convidados para um almoço ou jantar propõe aos discípulos que passem de um amor egoísta a um amor gratuito e desinteressado, compatível com a condição de quem optou pelo Reino.
            O convite dirigido aos amigos, irmãos, parentes e vizinhos ricos está baseado na reciprocidade. Quem oferece, cultiva o secreto desejo de ser retribuído. Se isto não acontece, as relações ficam estremecidas, quando não, rompidas pela “ingratidão”. O amor alicerçado nesta base é desprovido de valor e de transcendência. Aliás, o tempo mostrará que se trata de um egoísmo velado, cujo interesse real são as conveniências do indivíduo.
            No polo oposto coloca-se o convite dirigido aos pobres, aleijados, coxos e cegos, enfim, aos miseráveis deste mundo, desprovidos de bens para recompensar a gentileza recebida. O convite é motivado por uma generosidade verdadeira, na qual se busca o bem do próximo, esquecendo-se de si mesmo. Está fundado num amor que se dá por satisfeito quando vê o outro feliz, sem esperar nada em contrapartida. Pelo contrário, quando o outro é o pobre marginalizado, mais motivo ainda terá para alegrar-se ao fazer-lhe o bem.
            A transcendência do amor desinteressado revelar-se-á quando o discípulo atravessar os umbrais da eternidade. Então, receberá a única retribuição indispensável, que nos é dada pelo Pai: a vida eterna.

Oração
Pai, coloca no meu coração um amor desinteressado e gratuito, que saiba ser generoso sem esperar outra recompensa a não ser a que vem de ti.


Sobre as Oferendas

Ó Deus, que este sacrifício se torne uma oferenda perfeita aos vossos olhos e fonte de misericórdia para nós. Por Cristo, nosso Senhor.


Antífona da Comunhão

Vós me ensinais vosso caminho para a vida; junto de vós, felicidade sem limites! (Sl 15,11).


Depois da Comunhão

Ó Deus, frutifique em nós a vossa graça, a fim de que, preparados por vossos sacramentos, possamos receber o que prometem. Por Cristo, nosso Senhor.

Link: 71 pessoas viram!